Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > InforMMA > Dia de celebrar as aves migratórias
Início do conteúdo da página

Notícias

Dia de celebrar as aves migratórias

Neste sábado, 11, quando se comemora a data mundial dessas aves, Brasil apresenta avanços na pesquisa, conservação e monitoramento das espécies que são o símbolo da luta contra a poluição marinha, uma das prioridades da atual agenda do MMA
Publicado: Sexta, 10 Maio 2019 18:43 Última modificação: Sexta, 10 Maio 2019 19:07
Crédito: Ariane Ferreira Pernilongos-de-costas-brancas no Parque Nacional Restinga de Jurubatiba, no litoral do estado do Rio Pernilongos-de-costas-brancas no Parque Nacional Restinga de Jurubatiba, no litoral do estado do Rio
Brasília – Anualmente, batuíras, maçaricos, pernilongos e narcejas migram aos milhares pelas Américas e dependem da vasta oferta de áreas úmidas existentes no Brasil para alimento e descanso. Boa parte dessas áreas - também utilizadas para a reprodução pelas aves residentes - ficam em parques nacionais administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Neste sábado (11), comemora-se o Dia Mundial das Aves Migratórias, que tem como tema Proteja as aves – Seja a solução para reduzir o plástico no mar. Essas aves, em especial as marinhas e costeiras, são espécies-símbolo da luta contra a poluição no mar, uma das prioridades da Agenda Nacional de Qualidade Ambiental Urbana do MMA.

A data tem motivos de sobras para ser comemorada. De 1º a 5 de abril, o ICMBio promoveu a Oficina de Elaboração do Segundo Ciclo de Planejamento do Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação das Aves Limícolas Migratórias, dando um importante avanço na pesquisa e conservação dessas espécies.

A oficina foi organizada pela direção do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), do Instituto, em colaboração com SAVE Brasil e a Rede Hemisférica para Aves Limícolas Migratórias (WHSRN).

Participaram do evento representantes da academia, organizações governamentais e não governamentais da área do meio ambiente estaduais e federais. Na ocasião, foram definidas 25 ações prioritárias para a conservação das aves migratórias para os próximos cinco anos.

O planejamento brasileiro está alinhado com os objetivos internacionais para as aves migratórias nas Américas, como a Convenção para Espécies Migratórias (CMS), a Artic Migratory Bird Initiative (AMBI/CAAF) e a Atlantic Flyway Shorebird Initiative (AFSI).

INVERNADA

Houve também avanços em relação ao monitoramento das aves migratórias. Agora há pouco, no início do mês, quando terminou o período de invernada das aves limícolas (vivem em áreas úmidas) no Brasil e a maioria partiu em migração de outono (primavera no Hemisfério Norte) rumo aos Estados Unidos e Canadá para o período de reprodução, o Cemave/ICMBio realizou várias ações.

Os pesquisadores fizeram censos terrestres e aéreo e quatro expedições para captura e marcação das aves migratórias em parques nacionais brasileiros. O trabalho teve apoio do Projeto GEF Mar e a participação de diversas instituições, entre elas a UFPA, IFCE, UFBA, UFAL, UFRJ, UFRGS e FURG, além do apoio das equipes dos parques nacionais do Cabo Orange (AP), da Restinga de Jurubatiba (RJ) e da Lagoa do Peixe (RS).

Centenas de aves limícolas foram capturadas para coleta de dados biométricos e biológicos e marcadas com anilhas, bandeirolas e outros marcadores para rastreamento remoto. Essas ações de monitoramento permitirão a melhor compreensão do deslocamento e migração, tendências populacionais e uso dos habitats.

Por serem bioindicadores (espécies cuja presença num local indicam as condições ambientais), os dados também possibilitam avaliar os efeitos das alterações das áreas úmidas e efetividade dos parques nacionais, além de aferir a condução das ações estratégicas do PAN Aves Limícolas Migratórias.

 
Ascom MMA
(61) 2028-1227
Fim do conteúdo da página