Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Comunicação > Notícias - InforMMA
Início do conteúdo da página
 
Sexta, 26 Janeiro 2018 20:00

GEF-Mar apoia nova área em Pernambuco

Divulgação CPRH
APA de Guadalupe, Tamandaré (PE)

Projeto promove a conservação da biodiversidade marinha e costeira com apoio das comunidades locais. APA de Guadalupe receberá R$ 1 milhão.


Brasília (26/01/18) – A Área de Proteção Ambiental (APA) de Guadalupe, unidade de conservação estadual em Pernambuco, entrou para o projeto GEF-Mar e receberá investimento de R$ 1,05 milhão do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF, na sigla em inglês). O GEF-Mar (Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas) é um projeto do governo federal, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, criado para promover a conservação da biodiversidade marinha e costeira.

O projeto apoia a criação e implementação de um Sistema de Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas no Brasil a fim de reduzir a perda de biodiversidade. O sistema integra diferentes categorias de unidades de conservação e outras áreas protegidas, sob diferentes estratégias de gestão.

Segundo a analista ambiental do Departamento de Áreas Protegidas do MMA, Betânia Fichino, a adesão da APA de Guadalupe ao Projeto GEF-Mar traz um grande ganho no desenvolvimento de ações integradas que potencializam os benefícios para a conservação da biodiversidade na região. “É muito importante a integração de unidades de conservação estaduais ao projeto, fortalecendo o sistema como um todo. A APA Guadalupe é vizinha da APA Costa dos Corais, unidade de conservação federal já apoiada pelo projeto”, explicou.

O projeto será implementado pelo governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH).

Para o secretário em exercício de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, Carlos André Cavalcanti, os recursos do Projeto GEF-Mar serão fundamentais para que Pernambuco e o Brasil possam cumprir a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). “Por meio do apoio às comunidades envolvidas e no engajamento do conselho gestor da UC é que será possível aprimorar a gestão ambiental”, ressaltou.

SUSTENTABILIDADE

De acordo com o plano de trabalho aprovado, o Projeto GEF-Mar garantirá a aquisição de bens e contratação de serviços e obras para a APA de Guadalupe. Serão apoiados sistemas produtivos sustentáveis, como a elaboração de diagnóstico e implantação de Arranjos Produtivos Locais (APLs) no Assentamento Rural Amaraji, no município de rio Formoso, beneficiando cerca de 455 pessoas da comunidade.

Amaraji é formada por 91 famílias do assentamento da reforma agrária reconhecido pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 1997 e está inserida na região da APA que abrange também os municípios de Tamandaré, Sirinhaém e Barreiros. Para a seleção dos arranjos produtivos, será realizado um diagnóstico participativo que permita aos produtores locais indicarem, entre as atividades já realizadas pelos agricultores familiares, qual delas deverá ser transformada em arranjo e contemplada com a elaboração de um plano de negócio. A comunidade produz cultura orgânica de hortaliças e apicultura.

A implantação do GEF-Mar na APA Gudalupe será supervisionada pelo MMA e pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), responsável pela execução financeira do projeto. A Secretaria Estadual de Meio Ambiente do estado poderá propor adequações e melhorias nos arranjos produtivos.

APA DE GUADALUPE

A APA de Guadalupe foi criada pelo Decreto Estadual n° 19.635, de 13 de março de 1997, e abrange os municípios de Sirinhaém, Rio Formoso, Tamandaré e Barreiros. Está inserida na mesorregião da Mata Pernambucana, na zona costeira do litoral sul. Possui uma área total continental e marinha de 44.255 hectares e tem como objetivos proteger e conservar os sistemas naturais essenciais à biodiversidade, especialmente os recursos hídricos, visando à melhoria da qualidade de vida da população local, à proteção dos ecossistemas e ao desenvolvimento sustentável.

A APA teve o seu Plano de Manejo aprovado no final de 2017 pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco (Consema/PE). O documento estabelece o zoneamento e as normas de uso, além do uso dos recursos naturais da UC, de acordo com os seus objetivos principais.

 


Letícia Verdi, com informações da Gerência de Comunicação da Semas/PE.
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA)
(61) 2028-1227/ 1311/ 1437

imprensa@mma.gov.br

 



Fim do conteúdo da página