Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Comunicação > Notícias - InforMMA
Início do conteúdo da página
 
Sexta, 12 Maio 2017 16:00

Acordo de Paris avança na gestão Sarney Filho

Zig Koch/ SBF/MMA
Mudança do clima: metas nacionais

ESPECIAL// Terceira matéria da série sobre o primeiro ano de governo apresenta ações do Brasil para conter o aquecimento global.


TINNA OLIVEIRA

A articulação para que o Acordo de Paris entrasse em vigor foi fortalecida durante o primeiro ano da atual gestão do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, reforçando o papel de liderança e protagonismo do Brasil na agenda climática. O país confirmou a adesão ao acordo em setembro de 2016 ao depositar, na sede das Nações Unidas, o instrumento de ratificação. 

Com isso, o Brasil ficou no grupo dos primeiros países a confirmar a participação no pacto em que cada nação se compromete a fazer sua parte para frear o aquecimento do planeta.

“A rapidez com que a gente homologou e se colocou como um país líder nesta questão tem tudo a ver com o fato de sermos um país biodiverso e, portanto, termos um diferencial que precisamos aproveitar nessa nova economia”, destacou o ministro Sarney Filho. A ação está entre as principais realizações da agenda ambiental na atual gestão do governo federal, que completa um ano nesta sexta-feira (12/05).

REFLORESTAMENTO

A meta brasileira de redução de emissões de gases de efeito estufa prevê mudanças em todos os setores da economia e, por isso, é considerada internacionalmente como uma das mais ambiciosas. 

O objetivo é reduzir as emissões de carbono em 37% até 2025 com indicativo de cortar 43% até 2030 – ambos em referência a 2005. Para isso, o país propõe, entre outras coisas, restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas e alcançar a participação estimada de 45% de energias renováveis na matriz energética.

Todos os setores da sociedade participarão da construção das iniciativas de implantação dessas metas. Um exemplo disso é que o MMA está recebendo comentários para a preparação da Estratégia Nacional de Implementação e Financiamento para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil ao Acordo de Paris. O prazo para recebimento das contribuições é até 30 de julho de 2017. Além disso, o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) conduz reuniões com câmaras técnicas de segmentos envolvidos com o assunto. 

A Estratégia Nacional em construção será usada pelo Brasil para atingir o compromisso assumido no contexto do acordo. A meta de cada nação é chamada de NDC. Juntas, elas precisam conter a mudança do clima e os prejuízos associados como secas e enchentes. A partir do material levantado com as consultas, o MMA será o responsável por fechar o documento. A expectativa é que o primeiro rascunho esteja pronto até a próxima Conferência das Partes (COP 23), marcada para novembro em Bonn, na Alemanha. 

O ACORDO DE PARIS 

Mais de 190 países concluíram, no fim de 2015, o chamado Acordo de Paris, com o objetivo de manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2ºC em relação aos níveis pré-industriais e garantir esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC. 

Apesar de ser um fenômeno natural, o efeito estufa tem aumentado nas últimas décadas e causado a mudança do clima. Essas alterações decorrem do aumento descontrolado das emissões de gases como o dióxido de carbono e o metano. A liberação dessas substâncias na atmosfera ocorre por conta de diversas atividades humanas, entre elas o transporte, o desmatamento, a agricultura, a pecuária e a geração e o consumo de energia.

 

Principais realizações da gestão Sarney Filho no Ministério do Meio Ambiente

 

MATÉRIAS RELACIONADAS – ESPECIAL UM ANO DE GESTÃO: 

Governo federal registra um ano de conquistas

CAR terá controle social por módulo de consulta 

Controle de origem para produtos florestais

 

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA): (61) 2028-1227/ 1311/ 1437



Fim do conteúdo da página