Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Interoperabilidade

O que é Interoperabilidade?

Os quatro conceitos apresentados a seguir fundamentaram o entendimento do governo brasileiro a respeito do assunto.

"Intercâmbio coerente de informações e serviços entre sistemas. Deve possibilitar a substituição de qualquer componente ou produto usado nos pontos de interligação por outro de especificação similar, sem comprometimento das funcionalidades do sistema" (governo do Reino Unido).

"Habilidade de transferir e utilizar informações de maneira uniforme e eficiente entre várias organizações e sistemas de informação" (governo da Austrália).

"Habilidade de dois ou mais sistemas (computadores, meios de comunicação, redes, software e outros componentes de tecnologia da informação) de interagir e de intercambiar dados de acordo com um método definido, de forma a obter os resultados esperados". (ISO)

"Interoperabilidade define se dois componentes de um sistema, desenvolvidos com ferramentas diferentes, de fornecedores diferentes, podem ou não atuar em conjunto". (Lichun Wang, Instituto Europeu de Informática - CORBA Workshops).

Interoperabilidade não é somente integração de sistemas, nem somente integração de redes. Não referencia unicamente troca de dados entre sistemas e não contempla simplesmente definição de tecnologia.

É, na verdade, a soma de todos esses fatores, considerando, também, a existência de um legado de sistemas, de plataformas de hardware e software instaladas. Parte de princípios que tratam da diversidade de componentes, com a utilização de produtos diversos de fornecedores distintos. Têm por meta a consideração de todos os fatores para que os sistemas possam atuar cooperativamente, fixando as normas, as políticas e os padrões necessários para consecução desses objetivos.

Para que se conquiste a interoperabilidade, as pessoas devem estar engajadas num esforço contínuo para assegurar que sistemas, processos e culturas de uma organização sejam gerenciados e direcionados para maximizar oportunidades de troca e reuso de informações, interna e externamente ao governo federal.

A arquitetura e-PING cobre o intercâmbio de informações entre os sistemas do governo federal - Poder Executivo e as interações com:

  • Cidadãos;
  • Outras esferas de governo (estadual e municipal);
  • Outros Poderes (Legislativo, Judiciário e Ministério Público Federal);
  • Governos de outros países;
  • Empresas (no Brasil e no mundo);
  • Terceiro Setor.

Fonte: http://www.governoeletronico.gov.br

 

Veja mais:

Fim do conteúdo da página