Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

PROJETO SALAS VERDES


                logo transparente00


 Apresentacao1


  1.   LANÇAMENTO DA CHAMADA PARA CRIAÇÃO DE NOVAS SALAS VERDES     


APRESENTAÇÃO

CHAMADA Nº 01/2017 – CRIAÇÃO DE NOVAS SALAS VERDES

O Ministério do Meio Ambiente, por meio do Departamento de Educação Ambiental-DEA da Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental – SAIC, em consonância com a Política Nacional de Educação Ambiental e as diretrizes do Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA torna pública a chamada para seleção de instituições que atuam com atividades e projetos de educação ambiental não-formal para participar do Projeto Salas Verdes.

O Projeto Salas Verdes foi instituído no ano 2000, com o objetivo de atender às demandas de inúmeras instituições que buscavam no Ministério do Meio Ambiente publicações para subsidiar suas ações de Educação Ambiental. Foi inicialmente concebido com foco considerável no caráter biblioteca verde que estes espaços poderiam assumir, e a partir do desenvolvimento e da evolução do Projeto, passou-se a visualizar 


> ACESSE A CHAMADA AQUI.
> FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO E CADASTRO DO PPP: https://goo.gl/dPHxoX

RESSALTAMOS QUE NÃO HÁ REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS DO MMA PARA AS INSTITUIÇÕES SELECIONADAS. 

> PUBLICAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DO PPP:
Projeto Político Pedagógico aplicado a Centros de Educação Ambiental e a Salas Verdes  



CRONOGRAMA DA CHAMADA


  CRONOGRAMA 

ETAPAS

PRAZOS

Lançamento da chamada

11 de dezembro/17

Inscrições

11 de dezembro/17 a 07 de fevereiro/18

Análise técnica

07 de Fevereiro a 23 de Março de 2018

Divulgação do resultado da Etapa 1

26 de março de 2018

Envio dos ofícios pelas instituições

26 de março a 06 de abril de 2018

Divulgação do resultado final (Etapa 2)

27 de abril de 2018

 

Só serão aceitas propostas cadastradas até 07 DE FEVEREIRO DE 2018.

 

 

CONTATOS




MAIORES INFORMAÇÕES:

Email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Telefones: (61) 2028-1569 / (61) 2028-1570 / (61) 2028-1183






 


1. O PROJETO

O Projeto Sala Verde, coordenado pelo Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (DEA/MMA) consiste no incentivo à implantação de espaços socioambientais para atuarem como potenciais Centros de informação e Formação ambiental. A dimensão básica de qualquer Sala Verde é a disponibilização e democratização da informação ambiental e a busca por maximizar as possibilidades dos materiais distribuídos, colaborando para a construção de um espaço, que além do acesso à informação, ofereça a possibilidade de reflexão e construção do pensamento/ação ambiental.

Sala Verde é um espaço definido, vinculado a uma instituição pública ou privada, que poderá se dedicar a projetos, ações e programas educacionais voltados à questão ambiental. Deve cumprir um papel dinamizador, numa perspectiva articuladora e integradora, viabilizando iniciativas que propiciem uma efetiva participação dos diversos segmentos da sociedade na gestão ambiental, seguindo uma pauta de atuação permeada por ações educacionais, que caminhem em direção à sustentabilidade.

O Projeto Salas Verdes possui atualmente 357 salas espalhadas por todo o país. As instituições participantes do projeto estão distribuídas em quase todos estados e no Distrito Federal. Estão localizadas, em sua maioria, em prefeituras municipais, secretarias de meio ambiente, secretarias de educação, institutos federais e universidades, mas também em conselhos gestores de Unidades de Conservação (UCs) e organizações não governamentais.

A região Sudeste possui o maior número de Salas Verdes no país, com o total de 129. Na região Sul são 88 Salas cadastradas e no Nordeste são 81 unidades. A região Centro-Oeste possui 34 Salas Verdes e a Região Norte 25 espaços. Para conhecer melhor onde se localizam as Salas Verdes, acesse a seção Salas Verdes no Brasil.

A participação no Projeto Salas Verdes é realizada por meio de Editais lançados pelo Departamento de Educação Ambiental. No momento, não há previsão de lançamento de um novo Edital mas a Instituição pode fazer o cadastro na seção Novas Salas Verdes para que seja informada quando houver uma nova chamada.

1.1. Concepção

O Projeto Sala Verde foi inicialmente concebido com foco considerável no caráter biblioteca verde que estes espaços poderiam assumir, e a partir do desenvolvimento e da evolução do Projeto passou-se a visualizar as Salas Verdes como espaços com múltiplas potencialidades, que além da disponibilização e democratização do acesso às informações, podem desenvolver atividades diversas de Educação Ambiental como: cursos, palestras, oficinas, eventos, encontros, reuniões, campanhas.

O Departamento de Educação Ambiental (DEA) parte da compreensão de que a Sala Verde deve cumprir um papel de dinamizadora de espaços/iniciativas já existentes, numa perspectiva articuladora e integradora. A Sala Verde pode e deve estabelecer parcerias locais e regionais, com autonomia e iniciativa própria, contando com a possibilidade de apoio institucional.

Cada Sala Verde é única, não há um padrão pré-definido ou um formato modelo para ela. Cada instituição deve configurá-la à sua maneira, levando em consideração a identidade institucional e o público com quem trabalha, dialogando as potencialidades com as particularidades locais e regionais e, também deve buscar orientar as ações, através de um processo constante e continuado de construção, implementação, avaliação e revisão de seu Projeto Político Pedagógico.

Entendemos que o Projeto Político Pedagógico (PPP) é o que explicita os porquês da Sala Verde; os comos, o quando, o onde, o quanto, além de outras questões de cunho político e pedagógico.


1.2. Histórico

O Ministério do Meio Ambiente por meio do Centro de Informação e Documentação (CID Ambiental) passou a incentivar a implantação de Salas Verdes no ano 2000. Esta foi uma estratégia de encaminhar as demandas que estavam surgindo referentes a um apoio maior do Ministério do Meio Ambiente para além da mera distribuição de livros e materiais ambientais. No período anterior ao ano 2000, o que vinha ocorrendo é que todos os públicos que acessavam e visitavam as dependências do CID Ambiental solicitavam materiais, publicações e informações para que eles próprios pudessem levar a seus municípios, e por conta própria disponibilizá-los à população interessada no tema. Este processo, entendido como sendo o embrião do Projeto Sala Verde demonstrou-se num primeiro momento positivo, por avançar na direção na disseminação de informações e materiais produzidos e/ou disponibilizados pelo Ministério do Meio Ambiente, mas num segundo momento deparou-se em algumas dificuldades:


- Falta de garantia de que aqueles materiais e informações estivessem sendo efetivamente disponibilizados à população do município/região em questão;

- Carência de informações complementares posteriormente à retirada do material por parte destes técnicos e gestores;

- A disponibilização de materiais ficava restrita a pessoas e instituições que acessavam diretamente ao CID Ambiental, requerendo no mínimo uma visita (presencial) a Brasília, característica esta que se tornava um fator excludente à maioria dos municípios e organizações, especialmente aqueles considerados menores;

- Criava-se uma relação muito mais entre CID/MMA e as pessoas que retiravam os materiais do que a nível inter-institucional;

- Carência de estratégias de monitoramento e avaliação da utilização destes materiais nos municípios envolvidos.

Embora com estas dificuldades, o Projeto Sala Verde avançou consideravelmente no estímulo a implantação de Salas Verdes pelo país, especialmente no período compreendido entre os anos de 2000 a 2004 (neste último até o primeiro semestre). Nesta fase o processo de implantação de Salas Verdes baseou-se no modelo de Atendimento a Demandas Espontâneas, seguindo a estratégia descrita acima, alcançando resultados satisfatórios.

A partir de 2004 o projeto passou a ser reformulado, sofrendo algumas alterações:

- sua coordenação passou a ser feita pelo Departamento de Educação Ambiental, junto ao qual ficou vinculado o CID Ambiental;

- todas as estratégias e linhas de ação do Projeto foram rediscutidas, em virtude dos problemas identificados e em função do novo ordenamento político, pessoal (técnico) e orçamentário.

A fase atual do Projeto Sala Verde foi implementada a partir do segundo semestre de 2004, através da realização de algumas ações:

- formulação e lançamento do Edital 01/2004, como um novo mecanismo de incentivo a implantação de Salas Verdes pelo país (Este Edital foi denominado como sendo Manual Orientador 01/2004 e passou a configurar-se como uma estratégia de indução de Salas Verdes, sendo lançada com periodicidade variável);

- mapeamento e diagnóstico de todas as Salas Verdes implantadas no período pré 2004;

- diálogo e estímulo ao estabelecimento de parcerias, como uma nova estratégia de implantação de Salas Verdes pelo país; dentre outras ações.

Nos anos de 2004 e 2005, os Manuais do Processo Seletivo mantiveram suas características estruturantes, mas foram orientados de acordo com as demandas, com a necessidade de integração com outras ações e projetos do DEA e do MMA. Outro aspecto que orientou a elaboração dos manuais foi a busca de equiparação da representatividade do projeto nas regiões, com vistas a priorizar as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Manual 01/2004) e estimular a presença da ação em todos os Estados do país (Manual 01/2005).

As metas de desenvolvimento da ação avançaram e culminaram na descentralização do processo de seleção com o lançamento do Manual do Processo Seletivo 01/2006. Foram instituídas 17 câmaras técnicas temporárias de análise que receberam propostas de seu Estado para análise e orientação do processo de seleção e de ajuste de propostas.

Atualmente, as Salas Verdes representam um potencial de capilaridade e de integração de políticas públicas,que pode ser representado pela pluralidade de suas propostas, pela diversidade do público atendido e pelos vários tipos de instituições que aportam Salas Verdes.
 


ARQUIVOS:

Fim do conteúdo da página