Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Desenvolvimento Rural > Turismo Sustentável > Desenvolvimento Ambiental na Amazônia Legal
Início do conteúdo da página

Desenvolvimento Ambiental do Turismo na Amazônia Legal

                                       

A diversidade e beleza das paisagens naturais da Amazônia, os saberes e conhecimentos tradicionais, as habilidades produtivas de suas populações e os serviços ambientais prestados ao país e ao planeta geram oportunidades de alta relevância para o desenvolvimento sustentável da região e da atividade ecoturística em particular.

A possibilidade de aproveitamento desse potencial pelo turismo inspirou a criação,  em 2000,  do Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Amazônia Legal (Proecotur Amazônia). Como uma estratégia de política pública para a região, o  Proecotur  protagonizou o processo de estruturação da atividade  ecoturística, a fim de gerar oportunidade  de negócios capazes de conciliar desenvolvimento  econômico e social com respeito ao meio ambiente.

Gestão Participativa e Descentralizada

O Programa é uma iniciativa do Governo Brasileiro financiada por  meio de contrato de empréstimo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID.  Sob a coordenação  da  Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, o Proecotur é executado  em parceria com os  nove estados da Amazônia, e com apoio do Ministério do Turismo - MTur do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA.

Fruto da mobilização de vários atores sociais e governamentais que viabilizaram a sua concepção, o Proecotur inaugurou um modelo de gestão participativa. Por meio do Grupo Técnico de Coordenação do Ecoturismo na Amazônia, instância interinstitucional de assessoramento e acompanhamento das ações do Programa, envolveu atores das esferas federal, estadual e municipal,  instituições não-governamentais e setor privado, criando uma ambiência positiva que favoreceu e ampliou o debate sobre sustentabilidade socioambiental do turismo na região.

Fim do conteúdo da página