Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Biomas > Caatinga > Iniciativas de Conservação
Início do conteúdo da página

Iniciativas de Conservação

O Departamento de Conservação da Biodiversidade, do MMA, trabalha em nível de conservação de paisagem em parceira com o DAP, promovendo a criação e implementação de áreas protegidas (unidades de conservação e corredores, principalmente) e em nível de conservação de espécies, promovendo a conservação de espécies ameaçadas de extinção, o uso sustentável das espécies com potencial de uso e o controle de espécies invasoras. Vejam abaixo as iniciativas de conservação promovidas pelo DCBio:

Unidades de Conservação

Cerca de 7% da caatinga se encontra em unidades de conservação, menos de 1% em unidades de proteção integral (como Parques, Reservas Biológicas e Estações Ecológicas), que são as mais restritivas à intervenção humana. Estas unidades, no entanto, têm sérios problemas de implementação. De fato, têm que lidar com diversos problemas relacionados com a proteção da sua biodiversidade, como caça, fogo, desmatamento e tráfico de animais silvestres. Observa-se, ainda, que apenas metade das unidades federais de caatinga têm exclusivamente este bioma em seus domínios. Grande parte das unidades federais apresenta problemas básicos, como ausência de regularização fundiária, falta de plano de manejo e carência de pessoal. É fundamental a criação de novas unidades de conservação, aumentando as áreas protegidas, assim como melhora a gestão das já criadas. O  DCBio, em conjunto com o Departamento de Áreas Protegidas do Ministério do Meio Ambiente, trabalha na seleção e criação de novas unidades, por meio da atualização das áreas prioritárias para a conservação no bioma. Neste sentido foi definida, junto ao ICMBIO, uma agenda para a criação de unidades de conservação na caatinga, sendo que algumas das áreas selecionadas já estão em processo de criação. Uma das áreas selecionadas foi recentemente criada, qual seja o Monumento Natural do São Francisco, que ocupa 30.000 ha nos estados da Bahia, Alagoas e Sergipe. Está em andamento um estudo que irá propor alternativas para a manutenção das unidades de conservação da caatinga. A SBF/MMA entende que não se deve apenas criar as unidades, mas também gerar mecanismos para implementá-las, para que estas possam cumprir com os seus objetivos a contento. Veja abaixo algumas informações geradas pelos trabalhos desenvolvidos pelo DCBio:

  1. O Mapa das Unidades de Conservação e Terras Indígenas da Caatinga;
  2. As unidades de Conservação da Caatinga;
  3. Implementação das Unidades de Conservação da Caatinga.


Conservação em Nível de Espécies

O DCBio está levantando informações e promovendo ações relativas à conservação de espécies nativas da caatinga, especialmente aquelas relacionadas à conservação de espécies ameaçadas, ao controle de espécies invasoras e o uso sustentável de espécies com uso tradicional, atual ou potencial.

Fim do conteúdo da página