Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Sítios do Patrimônio

Convenção do Patrimônio Mundial

A Convenção do Patrimônio Mundial foi adotada na Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, em 1972, com a finalidade de garantir a proteção das obras e áreas de grande interesse para a história da terra ou da cultura da humanidade. Ela foi ratificada pelo Brasil por meio do Decreto no. 80.978, de 12 de dezembro de 1977.

Como princípio, o sítio deve ter um valor excepcional universal, ou seja, uma importância tão extraordinária que transcende as fronteiras nacionais e se torna importante para o presente e o futuro de toda a humanidade, atendendo pelo menos um dos critérios de reconhecimento.

Valor universal excepcional

Valor universal excepcional - VUE (Outstanding Universal Value - OUV), Elementos naturais e/ou culturais que, com base nos critérios adotados pela Convenção, justificaram a inscrição do bem na Lista do Patrimônio Mundial. Para ser considerada de Valor Universal Excepcional, um bem deve também cumprir as condições de integridade e/ou autenticidade e deve ter um sistema adequado de proteção e gestão para garantir sua salvaguarda

Atualmente (2017) há 1073 Bens reconhecidos pela Unesco (206 Naturais, 832 Culturais e 35 Mistos).

O Brasil possui 7 (sete) áreas reconhecidas como sítios do Patrimônio Mundial Natural, compostas por unidades de conservação. São eles: a) Reservas de Mata Atlântica da Costa do Descobrimento, b) Reservas da Mata Atlântica do Sudeste, c) Parque Nacional do Iguaçu, d) Áreas de Conservação do Pantanal, e) Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas, f) Complexo de Conservação da Amazônia Central e g) Áreas Protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas.

035_A4_Mapa Sitio do Patrimônio.png

 
Oficina CUSCO, 2015:

             "Plano de Ação para o Patrimônio Mundial na América do Sul 2015-2020"
               Acesse em: English/ Español

           Principais pontos:
    Aumento na representação de bens naturais e atualização da representação do patrimônio cultural da região na lista de Patrimônio Mundial
    Eficiência na gestão transversal e interinstitucional adaptada à propriedade inscrita na lista do Patrimônio Mundial (melhorando comunicação e cooperação)
    Inclusão de planos de turismo sustentável e participativos (comunidades) nas políticas de patrimônio nacional
    Desenvolvimento e notificação para a UNESCO em avaliações de impacto antes da implementação de projetos de desenvolvimento
   Atenção aos impactos das mudanças climáticas


SAIBA MAIS:

- Manual de Referência da Unesco: Gestão do Patrimônio Mundial Natural , Sinalização do Patrimônio Mundial no Brasil:
orientações técnicas para aplicação

- Manual de Referência da Unesco: 
Preparação de candidaturas para o Patrimônio Mundial (2013);

Orientações Técnicas para Aplicação da Convenção do Património Mundial (2011); 
- Operational Guidelines for the Implementation of the World Heritage Convention (2017)

- lista com contatos dos gestores das Unidades de Conservação que compõe os Sítios Naturais (2016).

- Página da Unesco no Brasil e Internacional (com muitos documentos de referência)

- Organização da gestão dos sítios no Brasil, incluindo lista dos patrimônios culturais.



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fim do conteúdo da página